LUIS LOUIS

MÍMICA TOTAL & ARTES DO CORPO

O Manifesto da Mímica Total

 

A arte não cria mentiras. As representações e as criações de máscaras acontecem freqüentemente no nosso cotidiano. A arte é o espaço-tempo onde se cria realidade e quebram-se as representações. Ela afirma a vida em sua plenitude, os sentimentos, as alegrias, as dores, o ridículo do ser humano, revelando o que se passa despercebido no dia a dia.

 

A arte não mostra, ela revela. Ela não é um espelho da sociedade, mas a própria realidade.

A arte de corporificar idéias, emoções, sentimentos, de atualizar e presentificar o virtual em realidade física e vocal, a arte do ser, do estar presente, essa é a Mímica. Por ser uma arte que trata diretamente do movimento da vida, da ação, ela existe desde os primórdios da humanidade e já era encontrada nos ritos primitivos. Ela teve diferentes fases em seu desenvolvimento, passando por vários gêneros e estéticas que vão do trágico ao cômico. Na Mímica Clássica o gênero da pantomima foi o mais conhecido. Na Moderna, foram a Mímica Corporal Dramática e a Mímica Subjetiva. A Mímica Contemporânea é mais conhecida pelo nome de Teatro Físico que tenta se dissociar do conceito de arte silenciosa (pantomima) e enfatizar também a mímica vocal, isto é, a corporificação dos sons do pensamento, da respiração e da Natureza.

O Mímico fala, canta, grita. A mímica dos ritos primitivos já incorporava gestos e sons. Na Antiguidade, os mímicos gregos e romanos utilizavam falas e textos escritos em suas encenações. É no gênero da pantomima que não há falas, onde a narrativa gestual acontece no silêncio.

Por presentificar a vida, a mímica é encontrada nas mais diversas áreas. Existe a mímica do artista plástico, do bailarino, do ator tradicional, da vida cotidiana. De fato, onde há vida há mímica. Pintores e escultores são mímicos fantásticos. Como dizia Lecoq, “A habilidade de Picasso de desenhar um touro dependeu dele ter achado a essência do touro nele mesmo, que liberou as formas dos gestos em sua mão. Ele fazia mímica. O ato da mímica é literalmente o de corporificar e, portanto, compreender melhor”. O bailarino ao corporificar uma sensação na ação dançada está fazendo mímica, assim como o ator de teatro tradicional que, ao corporificar o subtexto e os monólogos interiores do personagem na ação física e vocal, pratica a mímica. Os nossos gestos cotidianos e expressões são frutos do ato de corporificação, ou seja, da mímica. Ela é uma maneira de descobrir e redescobrir a vida com um frescor renovado. Quando alguém nos pede para fazer a mímica de alguma ação que já se tornou automática em nosso dia a dia, precisamos nos sensibilizar novamente a todos os detalhes para poder realizá-la. Torna-se um ato de conhecimento.

A Mímica Total enxerga a mímica como um ato total, que afirma a potência da vida no pensamento, corpo e voz integrados na figura do ator-criador. É a sua totalidade que me interessa e não a visão específica ou purista encontrada nos modernistas e nem num gênero de estilo, e sim no seu todo que torna visível o invisível. Não me interessa os gêneros mas a arte. A Mímica Total recebe de braços abertos a Mímica Antiga, Clássica, Moderna e Contemporânea em sua totalidade e não em uma visão reducionista e limitante de partes isoladas. Com isso, os vários gêneros são incorporados e bem-vindos, o tanto que não se desconectem do mais importante que é a afirmação da vida. É necessário esclarecer que o todo a que me refiro não é a soma das partes, pois por mais que somemos as várias partes de um sistema algo se perde nesse cálculo. O ato total é artístico, científico e filosófico ao mesmo tempo.

É um rompimento radical com a forma de pensar o corpo como uma máquina compartimentada, dividida em mente, cérebro e corpo. Ela entende o corpo como um organismo vivo integrado que interage diretamente com o meio ambiente, afetando e sendo afetado por ele.

Aqui, o corpo não é mais considerado um instrumento do pensamento, mas o próprio pensamento. O ator da Mímica Total não possui e controla um corpo, ele é o seu corpo. Ele não é só uma anatomia com articulações, tecidos, órgãos, músculos, mas sim um organismo vivo e afirmativo: o corpo como vontade de potência.

A Mímica Total é a afirmação da “arte de ator” e da sua intensa presença. Quando escrevo “arte de ator” eu relembro Etienne Decroux que se referia a uma arte que lhe é ontológica, do ser ator; e não uma arte do ator, pois não lhe pertence, ele não é o seu dono, mas quem a concebe e realiza.

A genealogia etimológica da palavra, theátron, significa “o espaço onde se vê”, o edifício. Portanto, teatro é o espaço onde se encontram diversas artes, literatura, artes plásticas, arquitetura, música e etc... Quando falamos de teatro como arte, por um vício, uma deturpação, ou simplesmente um hábito de linguagem, referimo-nos à arte de ator.

Poderíamos retirar o texto literário, os cenários, os figurinos, a música e até mesmo o edifício teatral que mesmo assim, restando somente o ator e o expectador, a arte de ator resiste. E, na sua essência encontra-se a Mímica.

A origem dessa palavra, vem de mímesis, que é imitação. Mas não a imitação feita do plano que se vê, mas daquilo que é intrínseco à Natureza, que faz a natureza ser natureza, ou seja, a criação. Por isso a Mímica Total necessita de um ator-criador que assume a potência que tem em si por ser, também, natureza.

Ela rompe drasticamente com o textocentrismo e a sujeição do teatro à literatura. O mímico e, quando digo mímico refiro-me ao ator-criador, que assume o centro da criação por inteiro, é autor e obra ao mesmo tempo, diferente do ator-intérprete que inicia o seu trabalho após receber o seu texto. Aqui, a dramaturgia é entendida como drama ergon, isto é, o trabalho das ações, o texto como a tecedura das ações físicas, e a ação como o próprio corpo/pensamento. A dramaturgia é a do corpo em vida e não a do texto escrito.

Por que o cantor pode cantar suas composições e letras, o artista plástico pintar auto-retratos, o escritor escrever seus próprios pensamentos e somente o ator tem que ficar atrás de um personagem, interpretar textos e pensamentos de outros e restringir-se a uma hierarquia teatral? Não aceito a ditadura da escrita na arte de ator.

Por ser o corpo fruto de um acontecimento, de uma força ativa e indissociavelmente integrado, ele é considerado corpo-pensante, eliminando, assim, qualquer visão compartimentada, reducionista e cartesiana.

Entendendo o corpo como o próprio ser, a Mímica Total afasta-se da representação ficcional e compreende a sua presença como integrante do ato artístico. O ator-performer afirma as suas idiossincrasias e o seu ser na persona e não na identificação com a personagem de uma obra. Nessa construção, ele rompe com a dualidade ficção/realidade e, com isso, o ator-criador serve-se das personagens para fortalecer a expressão de seus pensamentos, de suas indignações e não para ficar atrás delas e se anular numa tentativa de encarná-las.

É Total porque integra criação e obra, razão e emoção, mente e corpo, indivíduo e coletivo, visível e invisível. É Mímica porque é corporificação, é afirmação de um acontecimento, é ação, é criação, é vida.

Luis Louis